Como homens reais choram

Como homens reais choram (What real men cry like) é um projeto idealizado pela fotografa e estudante de artes Maud Fernhout. Na verdade a intenção dela era fazer um artigo a respeito de estereótipos, regras de gêneros, mídia, direitos humanos em geral, ou seja qual o nome que você dê para esse assunto, mas depois de olhar as fotos e os depoimentos que tirou, ela percebeu que eles já falaram o bastante.
Segundo ela, sua intenção foi mostrar para as pessoas os pensamentos e sentimentos de dezenas de garotos e garotas da nossa geração, fazendo com que eles se abrissem a respeito de si mesmos.
Seja homem!
Quantos de nós já não ouvimos ou falamos isso e o que isso significa? “Ser um homem” é suprimir suas emoções, agir como se não tivesse emoções (como por exemplo, não chorando), mesmo quando não tem ninguém por perto? Não. Acho que demonstrar emoção e compartilhar com as pessoas próximas de você só te torna forte, não fraco. Não é sobre chorar – essa é apenas a representação nesse caso – é sobre demonstrar emoção e se abrir. E eu acredito que isso é menos aceito para homens do que para mulheres em nossa sociedade.”

 “Para mim, chorar não é mostrar sua fraqueza. Quando eu choro, eu aceito meus sentimentos e estou apto a continuar. Me faz mais forte.”

 

 “Como a água purifica o corpo, lágrimas purificam a alma.”

 “Chorar é uma das mais belas manifestações emocionais que nós somos capazes de ter, então não tenha medo de chorar. Contudo, chore quando necessário, para preservar sua beleza.”

 “Se mostrar não é um sinal de fraqueza, mas um sinal de imenso poder.”

 “Eu não acho que chorar é um motivo de vergonha. Ninguém deveria suprimir suas emoções para se encaixar com o esteriótipo que lhe foi atribuído. Acho que no final foi por causa da minha prova de estatística que chorei.”

 “Se você pensar sobre, é estranho que suprimimos várias vezes nossas lágrimas. Porque é um fenômeno tão fascinante do humano.”

 “Homens choram. Quero dizer, nós nascemos chorando, porque ter medo de chorar durante o resto de nossas vidas?”

“É mágico pensar como em uma lágrima, uma única lágrima pulando dos nossos olhos, um mundo de sensações, emoções e razões estão concentradas. É quase como se a lágrima fosse realmente a essência da nossa existência…”

Achei esse projeto maravilhoso, justamente por quebrar esse estereótipo de gênero do qual homens devem ser fortes e não demonstrar sentimentos (chorar nem pensar) e mulheres devem ser justamente o contrário. Inclusive, existem mais fotos e a outra parte do projeto chamada de “como mulheres reais riem” que também é muito legal. Acesse aqui.

11 comentários em “Como homens reais choram”

  1. Que projeto maravilhoso, Ale! Adorei tanto esse seu compartilhar! Tão reflexivo, intenso e, acima de tudo, crítico. Abridor de olhos. Expurgar dores é saber reler mais delas, é saber lidar com elas, é saber ser mais de si, entender mais de si, é saber virar mais forte. Uma imensa forma de poder, como uma das falas ratificou. É fraqueza engolir a dor, o choro. É não ser humano, é não ser o que está sentindo. É deixar de ser. E deixar de ser é deixar de conhecer. E deixar de conhecer é fraco. Amei!

    SEMQUASES.COM

  2. Sério, adorei o projeto e a iniciativa. Todo mundo sente, temos um coração mole bombeando sangue e repleto de sentimentos. Chorar não é vergonhoso nem mesmo sinônimo de fraqueza, é sentir, ter intensidade com o que carrega consigo e expulsar aquilo que já não nos cabe mais. Homem chora sim, e deveria chorar muito mais. Não deixa de ser homem por conta disso. É uma demonstração incrível de que ainda há coisas pelas quais devemos lutar ♥

  3. Jheniffer Luiz

    Poxa, Alef, que post legal!
    Esses argumentos de que "lugar de mulher é na cozinha" e "homem não chora" são totalmente desprezados por mim.
    Devemos nos tratar enquanto pessoas, acima de qualquer gênero.
    Vou passar a seguir o seu blog. Gostei tanto do post que quis compartilhá-lo na página do meu blog.

    Beijo,
    Blog “A escrita e eu”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *